POESIAS, CULTURA, INFORMAÇÕES E ASSUNTOS C.C.B. BRASIL, MUNDO

Usuário Online

contador de usuários online grátis
21
Ago 11

 

PADRE CLAUDIO DE MELO

 

 

  

 

 

PADRE CLAUDIO DE MELO

 

Certo dia, um Padre resolveu apareceu, ao norte da capital,

Muito solícito, de fala bem agradável, a todos queria ajudar,

Uma ideia veio à cabeça: como havia muitas pedras no lugar

E menino é o que não faltava, unindo os dois universos a final;

Resolveu ele ajudar, colocou a meninada, para pedras ajuntar.

 

Por volta dos anos setenta, quando na construção de um porto,

Na capital de São Luís, Estado do Maranhão, vizinho bem perto.

Pagava a todos por semana, de segunda a sexta era o trabalho.

Na sexta às cinco horas da tarde, o padre vinha acertar o ajustado.

Era uma algazarra! Brincando e gritando, correndo e ajuntando,

A meninada toda se divertia tudo era animação, não havia trabalho,

Pois o trabalho, logo virava festa. Morro a cima, morro a baixo.

Subia a molecada, disputava o espaço, com os bodes e as galinhas,

Jumentos e porcalhadas!  Pois o bairro ainda novo havia matinhas.

Tinha aspecto de interior, como se fosse um sítio. Era uma festinha.

 

Todos os dias, em horário combinado, às nove da manhã, e as três,

Da tarde sem faltar, de longe avistávamos, o carro do bendito padre.

A molecada já sabia: era hora da merenda, o padre nunca despontava,

Pois sempre dava um jeito, de arranjar uma boa merenda pra garotada.

Brincadeira ou verdade, o fato é que esse Padre ajudou a meninada,

Muita gente agradeceu, ao bom gesto deste Padre, numa hora apertada.

Nunca esquecemos, e jamais esqueceremos os feitos deste Padre.

Padre Cláudio de Melo! O ajudador de outros tempos. Tempos dantes!

Qualidades ou defeitos; não podemos afirmar, o fato é que o Padre,

Tinha o hábito de prometer, prometia mais que curandeiro, ou mesmo,

Um “pai de santo”. A todos prometia ele que de um tudo os ajudaria,

Até mesmo uma dentadura, a um pobre esperançoso. Até hoje o coitado:

Espera pela dentadura, se já não tiver partido, para cidade dos pés juntos.

Mas isso não é motivo, nem mesmo um defeito, pois o Padre era gente boa!

Deixou aqui muitos amigos, saudades e lembranças, de uma bondosa pessoa.

Essa história é muito engraçada, até parece uma grande mentira, mas não é.

Mas verdadeira ela é! Este que vos escreve, também era menino.

Quando na mesma época, participava das patuscadas, risos e folias.  

 

Padre Cláudio de Melo, uma figura muita engraçada que apareceu no Bairro Buenos Aires, na década de 70 (setenta) naquela época, o Bairro Buenos Aires, estava ainda no seu início, um povo ainda meio inocente em meio a futuras mudanças que o mundo oferecia e as transformações da tecnologia passando da era analógica para digital. Aonde tudo parecia ser coisa de amigos. Haja vista que no bairro todos se conheciam tudo era novidade e logo virava notícias. E todo aquele movimento da garotada chamava a atenção dos moradores. Era verdadeiramente uma festa. Alguns garotos da época conseguiram bons resultados em suas vidas profissional, ajudados pelo Padre Cláudio.

Durante muito tempo a lembrança do padre permaneceu na memória da garotada. E em dos nossos encontros, ele afirmou para este que agora escreve estas linhas, ser possuidor do maior “ACERVO CULTURAL DE ESCRITORES PIAUIENSES”.

 

publicado por dgaudioprocopio o Poeta às 13:33

Agosto 2011
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12

15
17
18
19
20

22
23

29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
MAPA MUNDI
MUSICA
LIKE YOU
mais sobre mim
pesquisar
 
links
blogs SAPO