Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

FDG - FEITOPORDGAUDIO

CORPO & USO, UM POUCO DE TUDO; POESIAS, CULTURA E MODA

FDG - FEITOPORDGAUDIO

CORPO & USO, UM POUCO DE TUDO; POESIAS, CULTURA E MODA

25.08.11

CONCLAMO AOS POETAS


dgaudioprocopio o Poeta

 

CONCLAMO AOS POETAS E CRÍTICOS LITERÁRIOS A UMA NOVA IDEOLOGIA POÉTICA:

 

 

“IDEOLOGIA HUMANÍSTA”

 


v CRIATURA E CRIADOR

v AMOR AO PRÓXIMO

v VIOLÊNCIA

v DESUMANIDADE

v IRRACIONALIDADE

v IMPUNIDADE

v DIREITOS HUMANOS.

v RESPEITO A VIDA

v FAMÍLIA

v RELIGIÃO



AONDE VAMOS PARAR COM TANTA VIOLÊNCIA?

O HOMEM PERDEU A NOÇÃO DO BOM SENSO E O RESPEITO A VIDA





JUÍZO FINA L II








Por que todos falam de um amor sincero,
Se tudo está perdido nos sentimentos?!
Por que cantam a um amor apaixonado,
Se tudo não passa de uma grande ilusão?!




Tudo está perdido, nada mais escapa!
Destas bestas desumanas, desvairadas.
Juram um amor eterno à alma gêmea.
Comem a carne, bebem o sangue: Vida




Onde está o amor? Propalado mediador:
Entre a vida e a violência: Que desolador
Desconhecem a razão da própria existência.




Para que falar de amor? Se ainda há tempo!
Para o que se havia perdido – no infindo tempo
Por que logo chegará: O justo Juízo – o tempo.












D`Gáudio Procópio

24.08.11

AILATAN


dgaudioprocopio o Poeta

            “AILATAN ”

Mariposa! Mariposa! De olhar cintilante!
Que leva junto às asas o sonho de liberdade.
Leva contigo meus desejos, arrebata esta ilusão;
Consola minha alma, alegra este pálido coração.

Mariposa, que passa fulgurante, rumo ao infinito!
Quem te disse que poderia cruzar meu caminho,
E depois partir sem ferir meus sentimentos?
Voa tu o mais alto que puderes, levando os devaneeis.

No farfalhar de tuas asas ecoa o som da melodia,
Que embala a fantasia do “ Cisne “ sonhador!
Sonha, “ Cisne “! Enquanto voa tua alma – Imaginação!

Mariposa ensoberbecida, na pureza de sua graça:
Leva contigo meus pensamentos, trazendo de volta
O brilho da esperança, tragada pela amargura.

“Ailatan” da liberdade!
                     Voa na ilusão!
                        Leva contigo este “Cisne” sonhador!
      
                      
                           D `Gáudio Procópio
24.08.11

AILATAN


dgaudioprocopio o Poeta

            “AILATAN ”

Mariposa! Mariposa! De olhar cintilante!
Que leva junto às asas o sonho de liberdade.
Leva contigo meus desejos, arrebata esta ilusão;
Consola minha alma, alegra este pálido coração.

Mariposa, que passa fulgurante, rumo ao infinito!
Quem te disse que poderia cruzar meu caminho,
E depois partir sem ferir meus sentimentos?
Voa tu o mais alto que puderes, levando os devaneeis.

No farfalhar de tuas asas ecoa o som da melodia,
Que embala a fantasia do “ Cisne “ sonhador!
Sonha, “ Cisne “! Enquanto voa tua alma – Imaginação!

Mariposa ensoberbecida, na pureza de sua graça:
Leva contigo meus pensamentos, trazendo de volta
O brilho da esperança, tragada pela amargura.

“Ailatan” da liberdade!
                     Voa na ilusão!
                        Leva contigo este “Cisne” sonhador!
      
                      
                           D `Gáudio Procópio
21.08.11

PADRE CLAUDIO DE MELO


dgaudioprocopio o Poeta

 

PADRE CLAUDIO DE MELO

 

 

  

 

 

PADRE CLAUDIO DE MELO

 

Certo dia, um Padre resolveu apareceu, ao norte da capital,

Muito solícito, de fala bem agradável, a todos queria ajudar,

Uma ideia veio à cabeça: como havia muitas pedras no lugar

E menino é o que não faltava, unindo os dois universos a final;

Resolveu ele ajudar, colocou a meninada, para pedras ajuntar.

 

Por volta dos anos setenta, quando na construção de um porto,

Na capital de São Luís, Estado do Maranhão, vizinho bem perto.

Pagava a todos por semana, de segunda a sexta era o trabalho.

Na sexta às cinco horas da tarde, o padre vinha acertar o ajustado.

Era uma algazarra! Brincando e gritando, correndo e ajuntando,

A meninada toda se divertia tudo era animação, não havia trabalho,

Pois o trabalho, logo virava festa. Morro a cima, morro a baixo.

Subia a molecada, disputava o espaço, com os bodes e as galinhas,

Jumentos e porcalhadas!  Pois o bairro ainda novo havia matinhas.

Tinha aspecto de interior, como se fosse um sítio. Era uma festinha.

 

Todos os dias, em horário combinado, às nove da manhã, e as três,

Da tarde sem faltar, de longe avistávamos, o carro do bendito padre.

A molecada já sabia: era hora da merenda, o padre nunca despontava,

Pois sempre dava um jeito, de arranjar uma boa merenda pra garotada.

Brincadeira ou verdade, o fato é que esse Padre ajudou a meninada,

Muita gente agradeceu, ao bom gesto deste Padre, numa hora apertada.

Nunca esquecemos, e jamais esqueceremos os feitos deste Padre.

Padre Cláudio de Melo! O ajudador de outros tempos. Tempos dantes!

Qualidades ou defeitos; não podemos afirmar, o fato é que o Padre,

Tinha o hábito de prometer, prometia mais que curandeiro, ou mesmo,

Um “pai de santo”. A todos prometia ele que de um tudo os ajudaria,

Até mesmo uma dentadura, a um pobre esperançoso. Até hoje o coitado:

Espera pela dentadura, se já não tiver partido, para cidade dos pés juntos.

Mas isso não é motivo, nem mesmo um defeito, pois o Padre era gente boa!

Deixou aqui muitos amigos, saudades e lembranças, de uma bondosa pessoa.

Essa história é muito engraçada, até parece uma grande mentira, mas não é.

Mas verdadeira ela é! Este que vos escreve, também era menino.

Quando na mesma época, participava das patuscadas, risos e folias.  

 

Padre Cláudio de Melo, uma figura muita engraçada que apareceu no Bairro Buenos Aires, na década de 70 (setenta) naquela época, o Bairro Buenos Aires, estava ainda no seu início, um povo ainda meio inocente em meio a futuras mudanças que o mundo oferecia e as transformações da tecnologia passando da era analógica para digital. Aonde tudo parecia ser coisa de amigos. Haja vista que no bairro todos se conheciam tudo era novidade e logo virava notícias. E todo aquele movimento da garotada chamava a atenção dos moradores. Era verdadeiramente uma festa. Alguns garotos da época conseguiram bons resultados em suas vidas profissional, ajudados pelo Padre Cláudio.

Durante muito tempo a lembrança do padre permaneceu na memória da garotada. E em dos nossos encontros, ele afirmou para este que agora escreve estas linhas, ser possuidor do maior “ACERVO CULTURAL DE ESCRITORES PIAUIENSES”.

 

16.08.11

O ORADOR CCE 2011 / UFPI


dgaudioprocopio o Poeta

                                      

PEDAGOGA: BERNARDA TEIXEIRA SILVA  ARAUJO

                                                                       

FOTO: DGAUDIO - THE - PI

                                                                                                  

 

O ORADOR CCE 2011 / UFPI

JORNALISTA: MARIA CARVALHO COSTA

FORMANDO PROFISSIONAIS

 

Teresina, 15 de agosto de 2011, neste dia compareci à solenidade de colação de grau de minha esposa no espaço cultural “Prof. Noé Mendes” na Universidade Federal do Piauí. E no discurso da solenidade, mas precisamente, no texto da oradora, protagonizado pela concludente, agora jornalista: Maria Carvalho Costa, alguns trechos me chamaram atenção, quando ela se refere ao descrédito das profissões ali descritas e agraciadas na hora. Percebemos na sua fala a emoção e  tonalidade vibratória emocional nas palavras da jovem. Quero dizer aqui, para ela e aos demais, que não existe profissão degradante e nem desacreditadas, os descréditos estão na cabeça dos fracassados e covardes. Aos fracassado e covardes: a vergonha! Aos lutadores e aguerridos: os louros da vitória e os aplausos da plateia. São os votos de DGAUDIO aos concludentes deste dia.

 

 

O ORADOR CCE 2011

CONCLUDENTE: MARIA CARVALHO COSTA

LICENCIATURA EM ARTES VISUAIS

BACHARELADO EM COMUNICAÇÃO SOCIAL

LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

 

Boa noite Magnífico senhor Reitor Luís de Sousa Santos Júnior, boa noite autoridades presentes nesta solenidade.

Boa noite familiares, amigos, paraninfos, professores homenageados e convidados.  

 

É com muita honra que me apresento como oradora oficial do Centro de Ciências da Educação, falando em nome das turmas de Artes Visuais, Comunicação Social e Pedagogia do período 2011.1 da Universidade Federal do Piauí.

 

Em poucos instantes sairemos daqui profissionais diplomados, artistas visuais, jornalistas, músicos e pedagogos. A contragosto, de inicio, de muitos pais, que sonhavam em ter seus filhos médicos, advogados ou engenheiros. Hoje, certamente, eles estão radiantes. Mas nem sempre foi assim, não é queridos pais?

 

Inicialmente, meio desapontados com nossas escolhas, eles sugeriam sutilmente... Meu filho, que tal tentar um pouco mais? Cum curso mais bem conceituado... Quem de nós nunca teve que engolir a afirmação de que a profissão A ou B é que dá dinheiro?

 

Arrisco-me a dizer que em algum momento o que lhes confortam era pensar que, de todo modo, um diploma de nível superior, seja de que curso for sempre confere distinção a quem possui, ainda mais carimbado pela Universidade Federal.

 

Muitos dias se passaram, até que se esvaecesse esta insegurança inicial. Os semestres tornaram-se anos e mantivemos fortes em nosso propósito, perseguimos nosso sonho, sem ligar para o descrédito ou estereótipo que insiste em rodear nossos cursos e profissões. Vale ressaltar que agora, especificamente no caso de nós estudantes de comunicação, além de termos que conviver com essa má-fama, afora temos que enfrentar outra situação aflitiva: antes o diploma de curso superior com habilitação em jornalismo era obrigatório para o exercício da profissão.

 

Com base no diploma obrigatório, havia um mínimo de regulamentação para estabelecer, o que era figura chamada de jornalismo profissional. Agora, o diploma caiu, e a regulamentação da profissão de jornalismo não é nada nem ninguém.

 

Mas nós aqui, formandos de jornalismo, seguimos acreditando que jornalismo é uma profissão e como tal deve exigir uma qualificação, acreditamos que as técnicas jornalísticas de como entrevistar, editar ou reportar são necessárias para a formação do profissional e que o jornalista deve ter uma formação básica que viabilize a atividade profissional, atividade esta, que repercute na vida dos cidadãos em geral. Tanto que hoje estamos aqui, pais e filhos, ansiosos para receber o diploma e vivenciar todas as agruras e delícias da profissão que escolhemos. E sabem por quê? Porque ser jornalista é ser responsável por filtrar informações e trazê-las ao conhecimento do público, é se dedicar a levar informação e conhecimento à população. Ser jornalista é escrevera história da nossa cidade e do nosso Estado diariamente, de forma simples e acessível. Ser jornalista é ser essencial para a democracia. Os jornalistas revelam, lideram, desmitificam, desvendam, contribuem, mobilizam, denunciam e apuram, mas acima de tudo informam. E sinceramente... È uma das atuações profissionais mais nobres que eu conheço.

 

 Nobreza essa inerente também aos meus colegas de centro. E isso reverbera para os músicos, artistas visuais e pedagogos, profissionais que aqui se graduam.

 

Talento e dedicação são o que não faltam aos músicos. Eles são apaixonados pela música, têm bom ouvido e habilidade manual. Os músicos são 85% de transpiração e 15% de inspiração. Seu curso costuma ser dividido por instrumentos, além das ênfases em composição, regência, canto e a licenciatura. Para eles a universidade é um lugar privilegiado para o desenvolvimento do pensamento criativo e crítico, de modo geral os músicos são perfeccionista, gostam de pesquisar e trabalhar em equipe. Eles têm sempre disposição para estudar e praticar bastante. E quem consegue imaginar nossa vida sem a linguagem sublime e universal da música, não é mesmo?

 

E quanto à arte visual...  O que é preciso ter para ser um profissional da arte visual? É claro que eles têm vocação e talento para ser o ofício. Mas principalmente eles têm aptidão para as artes aliada à sensibilidade e à criatividade. Além da inata capacidade, eles têm ainda disposição para enfrentar os quatros anos de curso com aulas de pintura, desenho, linguagem corporal e disciplinas como história da arte, teoria da comunicação, psicologia, sociologia...

 

Já as minhas colegas da pedagogia, certamente, quando pequenas enfileiravam bonecas para ensinar o alfabeto e preferiam brincar de escolinha ao invés qualquer outra coisa. Elas gostam de trabalhar com pessoas. A graduação em pedagogia exige estudos e dedicação, além de atividades diferenciadas de constante planejamento e avaliação voltada ao ensino e à aprendizagem. Ser pedagoga não é só lecionar, transmitir conhecimento, mas também buscar a integração do corpo docente da escola com a comunidade é desenvolver projetos educacionais de modo a contribuir com profissionalização e crescimento dos educadores e organizar os métodos de ensino sempre desejando a inovação.

 

Em cada profissão, nosso orgulho por ter escolhido e por ser escolhido por ela. Por isso que hoje é nosso dia de comemorar. São sentimentos, aprendizados e valores que se mantiveram pungentes em nosso coração. E durante quatro anos houve falta de professor, falta de equipamentos e de laboratórios adequados, ou até mesmo falta de livros atualizados na biblioteca que diminuísse nossa vontade de ser o que estamos nos tornando agora. Hoje, pequenas lutas diárias enfrentadas, como conciliar trabalho e universidade, o dinheiro contado para a Xerox ou até mesmo, o tempo dispensado dentro do ônibus, são recompensadas.

 

Olhemos, então, para o lado brilhante de cada uma de nossas profissões. Porque, apesar de tudo, somos privilegiados e estamos orgulhosos de estar nos formando por essa instituição. Certamente, cada um de nós, tem um professor que faz valer toda sua estadia acadêmica, que empolgou e fez você amar e se identificar ainda mais com seu curso. Professores que talvez nem saibam, mas foi a partir dele que você sentiu que havia feito à escolha certa. Professores, coordenadores e funcionários que ouviram nossas queixas, nossas inseguranças, e que facilitaram nossas atividades na UFPI. A todos eles, nosso reconhecimento e agradecimento.

 

Fui breve, seguindo à risca a minha objetividade jornalística. Encerro com certeza de que em todas as profissões existem profissionais medíocres e profissionais excelentes. Alguns mal pagam suas contas, outros acumulam riquezas merecidas. Muitos vieram das mesmas instituições e seguiram caminhos diferentes.

Uns tem tempo para a família e para o lazer, outros mal conseguem dormir. Então, saibam que brilhar não é complacência apenas das estrelas do céu. Por isso, brilhem!

 

 

Por DGaudio Procópio

 

 

 

 

 

14.08.11

A MULHER DOS OLHOS DE FOGO


dgaudioprocopio o Poeta

LENDAS/A MULHER DOS OLHOS DE FOGOFOTO: DGAUDIO - THE- PI - PESCADOR FRANCISVALDO

 

 

A LENDA DA MULHER DOS OLHOS DE FOGO

 

AS LENDAS ESTÃO DE VOLTA. O Bairro Poty Velho não perde a tradição e os costumes de manter vivas as lendas, e faz jus a fama de um bairro rico em folclores, lendas e histórias de pescadores. Recentemente fui abordado por uma jovem senhora de nome CÍNTIA. A mesma trabalha no comércio local; e ao saber que faço um trabalho sobre lendas, me informou que um novo EPISÓDIO (FENÔMENO) está ocorrendo naquele bairro. Trata-se de uma aparição FANTASMAGÓRICA: A MULHER DOS “OLHOS DE FOGO”. E como pesquisador de lendas que sou, fui ao local. Digo: direto à fonte. E no local onde se inicia as aparições da dita cuja, me informei com as pessoas que frequentam o local. E nada melhor do que conversar com quem entende do assunto: OS PESCADORES! Pessoas que moram e trabalham no local. E lá entrevistei o senhor. Francisvaldo.

 

 

 

Pergunta: — Senhor Francisvaldo, é verdade que ultimamente têm aparecido nesta região uma mulher com olhos de fogo?

 

Resposta: — É verdade sim. Temos um TAXISTA da região que pegou a mulher como passageira.

 

Pergunta: — E como se dá a abordagem? Digo: as aparições?

 

Resposta: — Ela aparece sempre nas cabeceiras da ponte. (aponte sobre o Rio Poty, que liga o bairro Poty Velho a Santa Maria da Codipi e região), quando não é no início é no final, logo que sai da ponte, próximo a curva, (na via que dá acesso aos bairros do outro lado da ponte).

Geralmente ela pede uma carona. Às vezes pega um taxi, ou até mesmo um mototáxi. Ela embarca nesses locais e quando chega à região da Santa Maria da Codipi, próximo a uma sepultura, ela (Obs.: ainda não se sabe se é uma sepultura isolada ou é próximo ao cemitério) pede para parar e desce. E ao descer pede para que a pessoa olhe para ela. E quando a pessoa a olha, ela esbugalha os olhos e os convertem em chamas. Transformando-os em fogo!  

 

Pergunta: — E o horário que ela aparece?

 

Resposta: — Geralmente, é depois da meia noite.

Pergunta: — E como são os trajes dela?

Resposta: — É uma mulher alta, loira magra e bonita. Toda vestida de branco.

 

AS PROVÁVEIS VÍTIMAS DA MULHER

 

V— 1 um taxista, que pegou a passageira.

V— 2 um ciclista que deu carona

v — 3 um senhor. Que atende pelo nome de Lisboa

V-—4 um moto taxista

V— 5 Cíntia que ouvia a história de outras vítimas

V — 6 E o pescador Francisvaldo. Que também ouviu a versão de outras vítimas.

 

“Ainda segundo os relatos, a vítima mais contundente foi o taxista, (ainda não identificado) que depois de deixar a mulher no local fugiu assustado e contou de modo eufórico.”. Quando deixei a mulher no local, fiquei esperando ela me pagar. Então ela disse: “olhe para mim” quando olhei ela arregalou os olhos e de repente eu vi duas tocha de fogo...” ...”não quis nem saber de dinheiro, larguei tudo e fui!”

 

ENTÃO? VOCÊ JÁ SE DEPAROU COM A MULHER DOS OLHOS DE FOGO?

Qualquer informação nos comunique. E-mail= dgaudioprocopio@hotmail.com / jozafaaraujo@bol.com.br /   tel.= 86 - 8813-2055

 

 

Por DGaudio Procopio

 

 

 

 

 

 

 

 

 

14.08.11

SALGADO MARANHÃO


dgaudioprocopio o Poeta

 

“A poesias não nasce assim, duma hora para outra, num apertar de botões.”

“ela surge dos conflitos diários”.

SALGADO MARANHÃO

 

 

 

Poeta: Salgado Maranhão

13.08.11

BIOGRAFIA DE D`GÁUDIO


dgaudioprocopio o Poeta

 

BIOGRAFIA DE DGAUDIO/POETA DGAUDIO/BIOGRAFIADGAUDIO PROCÓPIO - CONHECEU PESSOALMENTE O HISTORIADOR, PADRE CLÁUDIO DE MELO

 

 

BIOGRAFIA DE DGAUDIO

 

 

JOSAFÁ ARAUJO PROCÓPIO (DGAUDIO PROCOPIO) nasceu a 23 de novembro de 1959, na cidade de São Domingos do Zé Feio- no Estado do Maranhão – filho de Cearense por parte materna. Pai desconhecido – Filho único, tendo que trabalhar para o sustento familiar, desde os dez anos de idade. Residiu em Campos Sales – Ceará foi CASSACO naquela cidade, durante as frentes de trabalho do governo federal. E depois se mudou para Floriano onde residiu por quatro anos. Em Floriano morou nos BAIRRO ALTO DA CRUZ, CORRENTE E CATUMBÍ. Trabalhou como ajudante de marchante no matadouro da cidade. Foi feirante e correu muito pelas ruas do mercado central da cidade. Estudou em uma sala de ensino particular, onde ainda era usada a PALMATÓRIA para DECORAR A TABUADA. Depois se matriculou no colégio Djalma Nunes.  

No ano de 1970 mudou-se para Teresina, residiu no bairro vermelha, por seis meses, depois para Timon – Maranhão, e em dezembro de 1971 mudou-se novamente para o bairro Buenos Aires, aonde reside até hoje (2012). Estudou no colégio: UNIDADE ESCOLAR VÁZ DA COSTA onde terminou o primário. Serviu ao Exército brasileiro em 1978, no 25º BC 1ª Cia de Fuzileiros QM Atirador. Depois estudou no colégio Eurípedes Aguiar, Leila Avelino. E por último, terminou o ensino fundamental no colégio, Unidade Escolar: Prefeito Freitas Neto no ano de 2006.

Autodidata no tocante a poesia. Não tendo formação superior, mas tendo por hábito o vício de devorar livros pela leitura. Não escolhendo o tipo de literatura. Desde o gibi e fotonovelas até aos dicionários. Buscou seus conhecimentos sobre poesias, nos livros de literaturas, paradidáticos, DICIONÁRIO DE POESIAS, (abcdário, ababcdcd, aabb, abab), rimas entrelaçadas e rimas paralelas, etc., etc.. Uma relíquia esse livro! Coisa que não existe mais. Dicionários de português e todo tipo de informações do gênero. Tendo também como base de toda a leitura estrutural, a bíblia sagrada.

Participante ativo em movimentos políticos e ativistas: como MOVIMENTO DOS SEM TERRAS, ANISTIA GERAL AMPLA E IRRESTRITA, em FORTALEZA – CE. “AS CARAS PINTADAS,” MOVIMENTO DOS MOTOTAXISTAS, ASSOCIAÇÃO do BAIRRO BUENOS AIRES (AMBA).

No dia 18 de abril de 1983 casa-se com Professora, Bernarda Teixeira Silva, natural de São Bernardo – Maranhão, formada pelo INSTITUTO DE EDUCAÇÃO ANTONINE FREIRE, formando-se em pedagogia pela UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ – UFPI no ano de 2011. Com quem teve três filhas; Cristianne Silva Araújo, (Formada em Letras Português, pela UFPI, com especialização pela UESPI e Mestrando em letras pela UFPI), Cássia Cristina Silva Araújo, (Bacharela em direito formada pelo CEUT, e Shyrlene Daya Silva Araújo).

Até a presente data, têm dois livros escritos, ambos de poesias. O primeiro teve três tentativas (versões) de editoração. Seu primeiro nome se chamaria: DOCE VIDA AMARGA, mas por motivos ligados a questões financeiras, os dois primeiros exemplares foram destruídos. O primeiro foi queimado, o segundo, jogado no lixo.  Após trinta anos de muita luta e persistência, conseguiu editar a terceira versão sob o nome de: PORTAL DAS ALMAS. O segundo, também de poesia já em fase de revisão tem o nome: ORVALHOS DE SENTIMENTOS. E agora escrevendo a biografia de Catanã

 

NOTA: DGÁUDIO conheceu pessoalmente o historiador PADRE CLAUDIO DE MELO e a ex-deputada FRANCISCA TRINDADE

 

São estas as informações até o momento, podendo ser acrescidas a qualquer momento.

Local = Teresina – Piauí - Brasil

e-mails para contatos= jozafaaraujo@bol.com.br / josafaaraujoprocopio.araujo@gmail.com / dgaudioprocopio@hotmail.com – tel= (086)8813-2055